quinta-feira, 6 de novembro de 2008

VERGONHA! ISSO É NA UEM

video

A Gente ri pra não chorar, olha que descaso!!

Esse vídeo foi filmado com o Celular, quinta-feira, dia 06/11/2008, no bloco G 56, na UEM.

ALAGADÍSSIMO depois da chuva.

sábado, 11 de outubro de 2008

A Borboleta e a Solidão




Na imensidão do universo, em uma noite escura,


Entre as estrelas e astros que a ela enfeita,


Me chama atenção um brilho diferente, incomum.


São seus olhos, que brilham no ego de minha solidão.


Mergulho nas profundezas do mar de minhas lágrimas,


Na esperança de encontrar as pérolas de teu sorriso.


Salto sem pensar, no abismo de meu desespero,


E durante a queda, aguardo a força de teu abraço a me salvar.


Viajo por todos os continentes de meus pensamentos,


E em todas as portas que bato, há um ponto de interrogação:


Por que me deixastes? Como uma bela borboleta colorida,


Que abandona o casulo que a transforma e nunca regressas.




Você pode não se lembrar, mas estavas como uma lagarta:


Sem nenhuma esperança de vida, esperando o fim chegar.


Então me conheceste e encontraste em mim o amor que procurava.


Aprendeu a sorrir, ter orgulho de si, a vida realmente começara.


E quando então criaste asas, foi viver longe de mim.




A resposta para esse enigma, nem Esfinge pode decifrar.


O vento, em dia de chuva de primavera, trará em música consigo,


E somente o tempo será o interprete desta triste canção.


Eu poderei abrir os olhos para cima e voltar a viver.




Mas uma coisam, para sempre, quero deixar claro:


Não sei onde te encontrar. "O bom filho a casa torna".


Te amo infinitamente e faria tudo de novo por ti.




Se como a borboleta, quiseres um dia voltar...


Serei a mais bela flor do jardim, onde tu irá pousar.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

...Paradoxo...


A solidão
Faz parte de todo ser
Que vive triste
Entre as alegrias
Da multidão,
Observando
Toda a realidade
Do que não vejo
Em meus sonhos.
Não tente entender
Um homem apaixonado
Que busca por encontrar
Esta paixão
Entre o frio espaço
De nossos corpos Quentes.

...ENVENENO-ME...

Ando por aí com tanta tristeza nos olhos
Lágrimas que indicam o fim dos sonhos
Enveneno-me numa doença sem cura
Xingo, praguejo, mas é tudo loucura
A dor é a única coisa que perdura
Nada faz eu esquecer o teu sorriso
Docemente você me tira o juízo
Rodo o mundo para ver se desencano
E volto a ti, porque é você que amo.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

...TORNADO...

Mais uma vez o Sol brilhou
Vencendo as trevas da solidão
Uma lágrima então rolou
O mesmo vazio no coração
A dor aperta a minha alma
É uma carta de amor não lida
Uma brisa suave que me acalma
Mas é um tornado a minha Vida.

Na MasMORRA...











O grande martírio está prestes a começar.
Me sinto como se estivesse numa masmorra,
agonizando tortuosamente o momento derradeiro.
Não me fazem um único espancamento,
mas me arrancam pedaços vagarosamente,
expondo em mim chagas profundas.
Tiram-me os cabelos um por um
e queimam minhas unhas,
martelam meus dedos.
Meu corpo é suspenso por arames farpados
e escorpiões picam-me os pés.
Mas me levaram as pálpebras
e fechar os olhos é impossível.
Agonizo tortuosamente o momento derradeiro,
eternamente numa masmorra
assim me sinto.

PeRmUtAs...




É sempre assim,


sempre somos trocados


quando aparece alguém melhor.


É o preço que se paga por viver.


O que fazer?


Nada.


Espere que a Morte um dia chega.


Essa é a nossa única certeza.


Nesse dia,


tudo pára,


tudo será perfeito.